quarta-feira, 25 de agosto de 2010

O Cinema de Animação Stop-Motion em Belém e no Brasil

O Anima Mundi foi de fundamental importância para iniciar a produção de animação em Belém do Pará, foi através de oficinas de animação promovidas pelo IAP em parceria com Anima Mundi, que começou a se falar e produzir animação em Belém. Com o tempo, através da bolsa da pesquisa do IAP, foram realizados, anteriores ao Visagem, cerca de cinco curtas-metragens em 3D: A Onda - Festa na Pororoca (2003 - Cássio Tavernard), A Revolta das Mangueiras (2004 - Roberto Eliasquevici), Menino Urubu (2005 - Fernando Alves) e Adimirimiriti (2005 - Andrei Miralha). Todos esses curtas têm em seu enredo uma forte temática local, amazônica.
Como não havia produção de animação em Belém, os integrantes das equipes de animações paraenses, aprenderam a “fazer fazendo”.
No curta-metragem Visagem não foi diferente, afinal, como falamos anteriormente, este foi o primeiro a ser feito através da técnica do stop-motion em Belém. Essa técnica é uma das mais difíceis de serem executadas, pois exige trabalho extremamente minucioso. A partir de um bom roteiro, devem-se criar cenários e bonecos que trocam as expressões faciais e que são feitos em miniatura, precisando de um alto nível de detalhamento e, ainda, contando com um esqueleto interno que possibilita a mudança das posições. O material empregado é bastante diverso e muito difícil de ser encontrado no Brasil.
Outra dificuldade do stop-motion é o tempo necessário para produzirem-se os trabalhos, demandando mais tempo ou mais pessoal do que nas outras formas de animação. A mais recente produção americana foi Coraline e o Mundo Secreto. Segundo o diretor Henry Selick, ele levou quase quatro anos para ser feito e contava com uma equipe bem grande.
Um pouco mais de 80 longas foram feitos com a técnica do stop-motion. Entre eles estão: A Fuga das Galinhas (2000 - Peter Lord), O Estranho Mundo de Jack (2003 - Tim Burton), Wallace e Gromit: A Batalha dos Vegetais (2005 - Nick Park), A Noiva Cadáver (2005 - Tim Burton), Coraline e o Mundo Secreto (2009 - Henry Selick), entre outros. Todos contribuíram, de uma forma ou de outra, para aperfeiçoar esta técnica que até hoje desperta nossa curiosidade.
No Brasil já foi feito um curta-metragem para cinema intitulado Dossiê Rê Bordosa (César Cabral - 2008). Atualmente, a produtora Animaking está produzindo um longa-metragem na técnica stop-motion chamado Minhocas, colocando o Brasil como pioneiro na produção de longas em stop-motion na América Latina.
Para fazer a animação Minhocas, os produtores contam com um orçamento de dez milhões de reais (R$ 10.0000,00). Isto possibilita, entre outras coisas, o uso de alta tecnologia para a confecção dos bonecos. As faces dos personagens, por exemplo, que é algo bastante trabalhoso de ser feito, serão antes criadas virtualmente em 3D e depois modeladas por uma prototipadora industrial ou impressora 3D (JORNAL DA GLOBO, 2010).
No curta Visagem, a realidade era outra. Tivemos, através da bolsa de pesquisa e experimentação artística, um orçamento de R$ 15.000,00 para a elaboração de todo o projeto. Pode parecer muito mais é um orçamento bem pequeno para esse tipo de filme, principalmente por não termos experiência com esse tipo de produção.
O autor deste artigo atuou nessa produção como modelador dos bonecos e diretor de arte, a convite do diretor e produtor Roger Elarrat, responsável pela bolsa de pesquisa. Esta cooperação iniciou nas oficinas do Anima Mundi promovidas pelo IAP e levou em consideração experiências anteriores do autor com escultura e animação.

Cássio Tavernard_A Onda - Festa na Pororoca_Computação Gráfica_2003.
Cássio Tavernard_A Onda - Festa na Pororoca_Computação Gráfica_2003.
Fernando Alves_Menino Urubu_Computação Gráfica_2005.
Fernando Alves_Menino Urubu_Computação Gráfica_2005.
Andrei Miralha_Adimirimiriti_Computação Gráfica_2005.
Andrei Miralha_Adimirimiriti_Computação Gráfica_2005.
Roger Elarrat_Visagem_Stop Motion_2006.
Roger Elarrat_Visagem_Stop Motion_2006.
César Cabral_Dossiê Rê Bordosa_Stop Motion_2008.
César Cabral_Dossiê Rê Bordosa_Stop Motion_2008.
Minhocas_Stop-Motion_Stop Motion_Em faze de produção.
Minhocas_Stop-Motion_Stop Motion_Em faze de produção.
video
Minhocas no Jornal da Globo!

domingo, 8 de agosto de 2010

Matinta Perera com Cachimbo

Fiz essa escultura em 2004, e é a minha segunda versão dessa lenda a primeira você pode conferir na postagem da coleção No'Turnos. Onde apresentei em forma escultórica a minha versão de varias lendas da Amazônia.

Mas... quem ou o que é a Matinta Perera?

Este mito que se apresenta principalmente como sendo uma velha acompanhada de um pássaro. O pássaro emite um assobio agudo, à noite, que perturba e assombra o sono das pessoas e assusta as crianças, ocasião em que a pessoa com medo promete tabaco ou fumo para a Matinta. No dia seguinte uma velha aparece na residência onde a promessa foi feita, a fim de apanhar o fumo. A cena descrita podia acontecer nos subúrbios de Belém, há alguns anos, ou ainda hoje, no interior do Pará e de toda Amazônia.A velha, seria uma pessoa idosa do lugar, carregaria a sina de "virar" Matinta Perera, ou seja, à noite transformar-se em ser indescritível, que mete medo e assombra as pessoas.

Fonte do texto: Revista Ver-o-Pará. Lendas e Mitos da Amazônia - Walcir Monteiro.
Dimensões da obra: Matinta com Cachimbo_Escultura em epóxi_32x28 cm_2004.